Blog de comunicación del Escolasticado Latinoamericano Sacramentino

Se ha producido un error en este gadget.

lunes, 20 de diciembre de 2010

Uma prece ao coração

Haja fascínio nutrindo tuas ilusões.

Haja sabedoria potencializando teus pensamentos.

Haja imaginação perseverando tua inventividade.

Haja solidariedade abonando tuas carências.

Haja mais valores discernindo teus consumos.

Haja luz clarificando a densidade de teus desânimos.

Haja bem-estar da alma extasiando-te de sorrisos vitoriosos.

E, acima de tudo, haja fé em Deus para, em tua vida, pronunciares um grande e enaltecido AMÉM.

Pois, sabemos que todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, dos que são chamados segundo seu desígnio (Rom 8, 28).
Ir. Gleidson, SSS

Meditando

Quais as minhas disposições e motivações para tornar célebre uma ocasião?


Como atribuo sentido diante dos momentos celebrativos da vida?


Desejaria comemorar alguma circunstância que ainda não foi possível? Por quê?

Que tal deixar registrado por escrito suas experiências de fim de ano e convertê-las em uma grata oração diante do Senhor?

domingo, 19 de diciembre de 2010

Celebrar o Natal como glorificação de Deus, que nunca deixa de honrar a humanidade com a bênção promissora de seu Filho, através de seu Espírito; como a festa da existência divina se encarnando nas urgências humanas para inundarmos da sabedoria do re-nascimento de cada dia; como uma solenidade eucarística a nos ensinar que o mais elementar e profundo está na simplicidade das coisas e, a partir delas, recuperarmos nossa habilidade de crer e apostar no lado bom e excelso da vida.

Celebrar um novo ano que se inicia com novas vias a serem exploradas, no aventurar de fluídos 365 dias possíveis de se construir um estado de coisas diferentes, firmado por uma autêntica dedicação entre todas as criaturas. Aprendamos com o entusiasmo dos enamorados que se desejam em sintonia de uma fidelidade amorosa. Amar alguém nos ajuda a exercitar a valiosa ação de entregar-se sem limites para tornar o outro uma pessoa genuinamente bem-aventurada.

Enfim, celebrar o espetáculo da vida que há por detrás das singelas aparências como, por exemplo, na discreta chegada de um passarinho a cantar na janela de nosso jardim interior, inspirando frescor de liberdade revitalizando nossas energias. O inaugurar de um novo dia é uma nova oportunidade de podermos exclamar que estamos vivos; apesar de todo sofrimento, de toda a dificuldade e de todos os desencontros, próprios de nossa vulnerabilidade, somos seres sustentados pela qualidade de nossas esperanças.
Ir. Gleidson, SSS

lunes, 13 de diciembre de 2010

Celebrar a beleza de um encontro familiar que não economiza afetos para acalentar nossos corpos e aquecer nossa alma, assim como a sagrada intimidade das refeições maternais dispostas com sobriedade e sinceras nuanças de amor. A família é lugar de celebrar a memória das gerações, preservando sua identidade no reviver de suas tradições e no atualizar de seus contextos. Não percamos tempo em ajudá-la no florescimento de seus valores, sobretudo da confiança transparente e recíproca, para que não se oculte a alegria transbordante e deliciosa de um legítimo lar, doce lar.
Celebrar a bravura dos que defende a integridade de nossa sociedade com o grito de liberdade e a responsabilidade efetiva, especialmente em favor daqueles que está ao nosso lado, enganados e violados pela injustiça. Celebrar a meritória ousadia de quem denuncia os desatinos pontuais de alguns que atrasa o acesso à dignidade integral para todos. Pessoas assim, pouco a pouco, dão vida aos pequenos mundos que sonham em transformar os destinos de um mundo maior, bem mais equitativo, solidário e, por isso mesmo, completo.
Ir. Gleidson, SSS

martes, 7 de diciembre de 2010


Celebrar o cultivo de uma boa relação através de uma agradável visita, do carinho em receber um detalhe, da emoção de um telefonema, do compartilhar um jantar, do calor da palavra de um amigo, de uma deleitosa conversa num barzinho, etc. Não seria exagerado reconhecermos que uma boa afinidade entre nós é o reflexo de um verdadeiro culto, uma forma de orar o divino se revelando também em múltiplos espaços.

Celebrar um ontem arrebatado de utopias, um hoje vivido com a singeleza de um pão matinal ao levantar da aurora, e um amanhã multiplicado de gratidão. Saibamos dar um toque magnânimo à memória de tempos idos e aos dias contemporâneos, celebrando igualmente a certeza de que ainda haverá ocasiões para fomentar a leveza poética e compassiva de Deus onde esta ainda não foi assimilada.

Celebrar o regozijo daqueles que superam o temor de suas fragilidades, e encontram na reconciliação pessoal e fraternal uma maneira de se purificar e livrar-se dos pesos e das mágoas carregados durante muito tempo. Descobrem que somente unidos é que aprendem a abrir-se para novas intuições e, desta maneira, a ser um pouco melhores em suas escolhas e condutas.
Ir. Gleidson, SSS

viernes, 3 de diciembre de 2010

Celebrai!

Por Ir. Gleidson, SSS
Os dias cursam como instáveis rios da vida, dando movimento ao tempo que se arrasta insistente junto aos barcos de ilusões cotidianas, à procura das encostas de suas satisfatórias realizações. Assim seguimos, sustentando essa corporeidade criada continuamente pelo toque do Criador, beijando a natureza de nossos lábios existenciais, travestindo de significação cada momento vivido e ainda por viver.
Em tempos natalinos é perceptível a proximidade de um dilatado período celebrativo. Uma ocasião repleta de sentimentos que reclama ser preparada com generosidade e sensibilidade de coração. A própria etimologia latina da palavra “celebrar” (celebrare - expressa um ato de solenizar, de festejar, de exaltar uma determinada realidade) nos ajuda a reconhecer que todos nós necessitamos de um ritmo celebrativo, algo de sagrado se desvelando na ritualidade humana, em seus motivos, em seus contextos e em suas relações.
Fato é que, muitas vezes, não nos dispomos a apreciar a fundo e com cuidado essa privilegiada temporada de comemorações incidindo em cada detalhe de nossa história. O desgaste do afã diário, as emoções feridas, o incômodo da solidão, a cobiça material, o excesso de tecnologias, a impressão de vazio espiritual e tantos outros estorvos e dissabores, diariamente, ofuscam nosso ser e nos desagradam com a efemeridade do sem-sentido da vida.
É sensato não nos esquivarmos em tomar consciência de que nem sempre estaremos afeitos a estabelecer uma síntese contemplativa e reflexiva do que constantemente se passa com nossa capacidade de encantamento.
Mas não podemos deixar que o fluxo ordinário dessa vida, da qual somos responsáveis, arrefeça seu célebre sentido de existência neste mundo extraordinário idealizado por Deus. Ainda que possa parecer mero devaneio, e para além das circunstâncias a que chegamos, não resta dúvida de que nossa vida é especial e por isso necessitamos vivê-la nobremente. Daí a importância de celebrá-la em tantas ocasiões, que conferem uma pródiga alegria e brilho aos nossos dias. Simples assim, seja pelo motivo do Natal ou das festas de Fim de Ano, o importante é não desperdiçar a oportunidade de estar com os mais queridos, estimulando e fortalecendo os laços e seus efeitos, ritualmente acontecendo em cada vivência.
Assim sendo, meus apreciados seres humanos, experimentemos celebrar:
Continua...

miércoles, 24 de noviembre de 2010

Congregação do Santíssimo Sacramento
Província de Santa Cruz
Superior Provincial
Buenos Aires, 24 de Novembro de 2010
Religiosos Sacramentinos
Religiosas e Leigos/as Sacramentinos
Província de Santa Cruz, Brasil

Estimados Irmãos/as:

Iniciamos no dia 22 ultimo o primeiro dia, na Basílica do Ssmo. Sacramento, em Buenos Aires, o XIX Capitulo da Província de Imaculada (Argentina-Chile).

Como família latino-americana partilhamos a vida, sonhos e fragilidades. O Senhor eucarístico nos guia e nos inspira no nosso caminho.

E, nesse caminho de unidade, os Religiosos Sacramentinos de Argentina-Chile assumiram o grande desafio da unificação. Que isso significa?

A unificação é um tema de dialogo de muito tempo entre Brasil e Argentina-Chile. O objetivo é unir-se para ser mais forte. Ser uma só Província com as forças da Família Sacramentina do Brasil, Argentina e Chile.

Em Capitulo, os religiosos de Imaculada aprovaram o caminho e, agora, iniciaremos a agenda da Unificação.

O mesmo capitulo de Argentina e Chile já elegeu seu Governo para o processo de unificação: P. Provincial: Julían Acevedo, sss; Conselheiros: Leopoldo e Daniel; e Ecônomo: Carlos Gerk.

Hoje seguimos com o planejamento da Província Imaculada, e continuarei partilhando nosso caminho de Sacramentinos em América Latina.

Que venha o reino eucarístico,
P. Francisco Junior DeOliveira Marques, sss
Superior Provincial

domingo, 21 de noviembre de 2010

Dia Nacional dos Leigos

No próximo domingo, 21, a Igreja no Brasil celebra o Dia Nacional dos Cristãos Leigos e Leigas. A data ocorre sempre no último domingo do Ano Litúrgico, na Festa de Cristo Rei do Universo.

Na abertura da V Conferência dos Bispos da América Latina e Caribe,em Aparecida (SP), em 2007, o papa Bento XVI convocou os cristãos leigos a assumirem a sua missão com “audácia e entusiasmo”.

Segundo o Papa, os leigos “devem sentir-se co-responsáveis na construção da sociedade segundo os critérios do Evangelho, em comunhão com os seus pastores”. Bento XVI deu ainda um recado para a Igreja: “Promover um laicato amadurecido, responsável com a missão de anunciar e fazer visível o Reino do Senhor”.

Esta vocação dos leigos é recordada pelo presidente do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), Laudelino Augusto. “O Dia Nacional do Cristão Leigo nos leva a refletir e aprofundar nossa identidade, vocação e missão; a celebrar nossa vida como membros do Corpo Eclesial e a homenagear a tantos que assumem o laicato”, destacou Laudelino. Ele cita o papa João Paulo II para lembrar que ”a vocação e missão dos cristãos leigos se realizam na Igreja e no mundo. Na Igreja, são vários ministérios confiados aos leigos e leigas, para a edificação do Corpo Eclesial e, no mundo, a construção da sociedade justa e solidária, no trabalho, na família, na educação, na cultura, na política...”.

Sujeitos de direitos

Para o bispo responsável pelo Setor Leigos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Antônio Celso de Queirós, a Igreja caminha, cada dia mais, para a consolidação do leigo como parte principal da sua estrutura.“Os leigos são a parte principal da Igreja. São a grande parte do povo de Deus. Hoje há todo um esforço na Igreja, não só no Brasil, mas no mundo todo, para compreender que os leigos são sujeitos de Pastoral, portanto, sujeitos de direitos e de missão dentro da Igreja. Sem os leigos, temos uma Igreja manca, uma Igreja que é capaz de falar, de propor o Evangelhos, os valores humanos, sobretudo na sociedade, mas não tem braços para realizar. Sem o leigo não há Igreja!”, afirmou.

O bispo responsável pelas Comunidades Eclesiais de Base (CEB’s), dom Adriano Ciocca, exorta os leigos a se comprometerem com a missão.“O tempo que estamos vivendo, principalmente depois da Conferência de Aparecida, impele a todos nós cristãos a assumir o compromisso da missão. Uma missão que deve ser conversão das comunidades, da Igreja, Pastoral, mas também abertura para uma nova Evangelização que abranja todos aqueles que foram batizados e não conhecem a fé e nem nunca ouviram falar da figura de Jesus Cristo”, disse.

Histórico
Desde o ano de 1991, o Dia Nacional dos Cristãos Leigos é comemorado na Festa de Cristo Rei, que marca o fim do ano litúrgico na Igreja. A data foi definida pela Assembleia Geral do CNLB, em continuidade com a tradição da Ação Católica que realizava, nesta festa, a renovação das promessas batismais e refletia sobre a missão dos leigos. Todos os anos, o CNLB apresenta temas e sugestões de celebrações para esse dia com o objetivo de fazer crescer a consciência da vocação dos leigos na Igreja e no mundo. Cada diocese é responsável pela comemoração da data.

Fonte: CNBB

miércoles, 17 de noviembre de 2010

Santa Sé anuncia criação de novo site

Reunirá todas as fontes de informação vaticanas
O presidente do Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais, Dom Claudio María Celli, anunciou ontem a criação de um novo portal da Santa Sé na internet.

O anúncio foi feito durante a conferência de imprensa de lançamento da nova unidade de TV de alta definição do Centro Televisivo Vaticano.
Dom Celli disse que o portal permitirá que “confluam, também de maneira multimídia, várias fontes de notícias vaticanas”, como a Sala de Imprensa da Santa Sé, o jornal L’ Osservatore Romano, Rádio Vaticano, o Centro Televisivo, a agência Fides e a Congregação da Propaganda Fide.

Ainda não foram definidos o nome e a data do lançamento do portal. “Ele será um ponto de conexão entre vários centros de produção de notícias da Santa Sé que estarão reunidas num único meio”, disse o prelado, afirmando, entretanto, que “se manterá a independência de cada órgão de informação”.

Fonte: ZENIT

Papa constata “primavera eucarística” na Igreja

"Eu gostaria de afirmar com alegria que hoje, na Igreja, há uma 'primavera eucarística'": esta foi a mensagem do Papa durante a audiência geral desta manhã, na Praça de São Pedro.

Bento XVI constatou que muitas pessoas "dedicam seu tempo a estar diante do Tabernáculo, silenciosas, para desfrutar de um diálogo de amor com Jesus! É consolador saber que muitos grupos de jovens redescobriram a beleza de rezar em adoração diante da Santíssima Eucaristia".

Diante dos milhares de peregrinos reunidos na praça, o Papa falou sobre outra mulher da Idade Média, Santa Juliana de Cornillon, mística e impulsora da festa de Corpus Christi em toda a Igreja, conhecida também como Juliana de Lieja, que viveu na Bélgica no século XIII.

O Pontífice quis sublinhar a importância de recuperar a adoração eucarística fora da Missa: "A fidelidade ao encontro com o Cristo Eucarístico na Santa Missa dominical é essencial para o caminho de fé, mas tentemos também visitar frequentemente o Senhor presente no Tabernáculo!".

Citando a encíclica Ecclesia de Eucharistia, constatou que "em muitos lugares, é dedicado amplo espaço à adoração do Santíssimo Sacramento, tornando-se fonte inesgotável de santidade". "Contemplando, em adoração, a Hóstia consagrada, encontramos o dom do amor de Deus, encontramos a Paixão e a Cruz de Jesus, assim como sua Ressurreição. Precisamente por meio do nosso olhar em adoração, o Senhor nos atrai a Si, dentro do seu mistério, para transformar-nos como transforma o pão e o vinho", afirmou.

O Papa mostrou seu desejo de que "esta 'primavera eucarística' se difunda para vez mais em todas as paróquias, em particular na Bélgica, a pátria de Santa Juliana".
Corpus Domini
Juliana ficou órfã aos 5 anos e foi acolhida em um convento de religiosas agostinianas, onde mais tarde vestiu o hábito. "Além de uma inteligência vivaz, Juliana mostrava, desde o começo, uma propensão particular à contemplação; tinha um sentido profundo da presença de Cristo, que experimentava vivendo de maneira particularmente intensa o sacramento da Eucaristia", explicou o Papa. Desde muito jovem, teve uma visão na qual a lua aparecia em seu pleno esplendor, com uma faixa escura que a atravessava diametralmente.

"O Senhor a fez compreender o significado do que lhe aparecera. A lua simbolizava a vida da Igreja na terra; a linha opaca representava, no entanto, a ausência de uma festa litúrgica, para cuja instituição se pedia a Juliana que trabalhasse de maneira eficaz."

Com o tempo, Juliana contou sobre suas visões a outras duas santas mulheres, com as quais trabalhou intensamente para promover a festa do Corpus Domini. "As três mulheres estabeleceram uma espécie de "aliança espiritual", com o propósito de glorificar o Santíssimo Sacramento", explicou o Papa.

Esta determinação supôs também muitas dificuldades, até o ponto de ter de abandonar o convento devido à oposição do superior do qual dependia seu mosteiro. Juliana teve de ser acolhida em outros mosteiros cistercienses, em um dos quais morreu, diante do Santíssimo Sacramento exposto.

Nove anos depois, o Papa Urbano IV, que havia conhecido Juliana pessoalmente, instituiu a solenidade de Corpus Christi como festa de preceito para a Igreja universal, na quinta-feira depois de Pentecostes.

Fonte: ZENIT

domingo, 14 de noviembre de 2010

Congressos eucarísticos, contribuição para nova evangelização

Audiência do Papa aos membros do Comitê Pontifício para os Congressos Eucarísticos
Para Bento XVI, os congressos eucarísticos estão chamados a oferecer uma contribuição essencial à nova evangelização, mostrando a Eucaristia como “centro difusor do fermento do Evangelho” e “força propulsora para a construção da sociedade humana”.
O Papa recebeu, na última quinta-feira, os participantes da plenária do Comitê Pontifício para os Congressos Eucarísticos, presidido pelo arcebispo Piero Marini.
O pontífice explicou que “pela comunhão com o Corpo de Cristo, a Igreja se converte cada vez mais em si mesma: mistério de unidade ‘vertical’ e ‘horizontal’ para todo o gênero humano”.

“Aos sinais de desagregação, que a experiência cotidiana mostra tão arraigados na humanidade por causa do pecado, contrapõe-se à força geradora de unidade do Corpo de Cristo, indicou o Papa. A Eucaristia, formando continuamente a Igreja, cria também comunhão entre os homens”.

Por isso, explicou, “é tarefa dos congressos eucarísticos, sobretudo no contexto atual, também dar uma peculiar contribuição à nova evangelização, promovendo a evangelização mistagógica (cf. Exortação apostólica pós sinodal Sacramentum caritatis, 64), que se realiza na escola da Igreja em oração, a partir da liturgia e através da liturgia”.

“Mas cada congresso leva em si também um sopro evangelizador no sentido mais missionário, até o ponto em que o binômio Eucaristia-missão passou a fazer parte das diretrizes propostas pela Santa Sé”.

É importante, entretanto, continuou o Papa, “que cada congresso eucarístico saiba implicar e integrar, segundo o espírito da reforma conciliar, todas as expressões do culto eucarístico extra missam que estão enraizadas na devoção popular, assim como as associações dos fiéis que se inspiram na Eucaristia de distintas maneiras”.

No começo da audiência, o arcebispo Marini saudou o pontífice em nome dos membros do Comitê Pontifício, dos delegados nacionais designados pelas distintas conferências episcopais e da delegação do Comitê local irlandês, guiada pelo arcebispo de Dublin. A capital da Irlanda será a sede do próximo encontro mundial, de 10 a 17 de junho de 2012.

Fonte: ZENIT

jueves, 11 de noviembre de 2010

Queridos irmãos (as) no carisma sacramentino,
Partilho um pouco daquilo que enche nossa alma e sacia nosso coração sedento do amor de Deus, através destes fragmentos de Sto Eymard - Flores da Eucaristia. (200 anos com São Pedro Julião Eymard - 1811/2011 ! )

"Habituai-vos a ver passar as coisas do mundo como as gotas de um riacho; deixai-as correr, murmurando, agitando-se, entrechocando-se. Quanto a vós, descansai aos pés de Nosso Senhor, e se as criaturas vierem a faltar-vos ou provar-vos, ouvi a voz de Deus que vos diz: "Eu te basto".Não há estado mais feliz que o da alma só desejosa de agradar a Deus, que procura somente a estima e proteção de Deus, e a do próximo como e enquanto Deus quer. Então, nem ventos, nem tempestades humanas conseguem perturbá-la, porque Deus é o seu tudo.Com efeito, quando Deus está contente, estejamos nós também. Se Deus nos ama, que nos importa o resto? Se temos Deus a nosso favor, porque nos inquietarmos e nos entristecermos com o que está contra nós?Ide portanto a Nosso Senhor sempre com uma grande simplicidade da alma e um santo abandono, considerando apenas estas duas coisas: vossa miséria e sua bondade, seu amor por vós. E se o mundo vos ignorar, esquecer-vos , bendizei a Deus. Haveis de amá-LO então com maior pureza , como faziam os santos. "

Fraternalmente,
Viviane

martes, 9 de noviembre de 2010

Em Bogotá, uma experiência real

Do dia 1 de outubro ao dia 26 de novembro, para uma missão a pedido da CLAS, não pensei duas vezes ao receber tal convite para estar com os estudantes do ESCOLASTICADO LATINOAMERICANO em Bogotá.

Seria para permanecer somente por uma semana, mas achei por bem ficar até o encerramento das atividades do ano. Escrevo a todos os que têm esta oportunidade de fazer a leitura neste blog.

Minha experiência pessoal na casa do Escolasticado me faz uma pessoa agraciada, de maneira a compreender melhor a vontade de Deus dentro de uma inculturação forçada, considerando despreparado por não ter estudado a língua hispânica, somente encorajado pelo padre Júnior, SSS que me dirigiu este convite para estar aqui como SSS a caminho. Tendo somente a Eucaristia como alimento na caminhada de missão, posso dizer que ser irmão, na América Latina, é conhecer, sentir e estar em família sacramentina.

Destaco também a maneira simples e bela do acolhimento de padre Álvaro, SSS e dos irmãos que já os conhecia do tempo em que estiveram no Brasil para o Noviciado. Motivaram-me e continua motivando, a pronunciar o espanhol nas celebrações, desde o primeiro dia em que aqui cheguei. O clima da região é saudável, faz bem a saúde, os que adaptam ao frio das montanhas, a alimentação variável de frutas típicas, como o tomate de árvore (suco) e amora.

Bem, entre tantas coisas que me leva agradecer a Deus por este quase dois meses de minha experiência Latino-americana, digo a todos que vale a pena viver como irmãos.

Padre João Batista Lopes, SSS

sábado, 6 de noviembre de 2010

Ordenação Diaconal



“Pela fé somos discípulos,
pelo amor somos apóstolos”.
S. Pedro Julião Eymard
O Senhor concedeu-me a graça de poder consagrar minha vida como um religioso sacramentino e, no tempo presente, me chama a servi-Lo como diácono.

Juntamente com a Família Souza e Silva e a Família Sacramentina, quero bendizer a Deus por este dom. Convido a você e a sua família (comunidade) para participar da Celebração Eucarística na qual serei ordenado diácono.

Pela imposição das mãos e pela Oração Consecratória de Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães, colocar-me-ei a serviço da Igreja.

Peço suas orações a fim de que Deus jamais deixe de me sustentar com a sua graça e força presentes na Palavra, na Eucaristia e na vida do Povo de Deus, para que eu possa realizar a sua vontade em minha vida.

Ir. Marcelo Carlos da Silva, sss
Dia: 05 dezembro 2010
Oração da Manhã (Laudes solene): 08h30
Ordenação Diaconal: 09h
Local: Catedral Nossa Senhora da Boa Viagem
Belo Horizonte – MG.
Mais informações:
Rua Sergipe, 175 - Bairro Funcionários
CEP.: 30130-170 Belo Horizonte – MG
Tel.: 031 3222 2191 ou 3222 2361.


Obs.: Aos que forem se hospedar em nossa casa, favor confirmar a presença até 26 de novembro.
Sejam bem-vindos e sintam-se em casa!

Cel.: 031 8423 4667 (Ir. Marcelo);
Email:
marcellosssbrasil@yahoo.com.br

Congregação do Santíssimo Sacramento
Província de Santa Cruz – Brasil
www.sacramentinos.com.br

jueves, 4 de noviembre de 2010

URGENTE SE FAZ

“Há milhões em agonia, sem qualquer consolo, sem qualquer alento.
Urgente se faz afagar a vida ferida como está.
Cantar alguma canção, cantiga simples de consolar e refazer
a chama que no peito do povo tem sede de gás.
Cantar pro vento levar, pra noite guardar,
pra ninar o sono e acordar o sonho.
Urgente se faz afagar a vida ferida como está.
Convocar os poetas do pão e das cores,
da palavra nova e das canções de rebeldia.
Todos em assembléia permanente,
até destrancar a porta e deixar escancarada a saída
que, numa noite qualquer, encontramos fechada.
Deixe passar toda fúria e toda ira reprimida...
Deixe sair e escorrer toda lágrima
que no ódio das derrotas impostas engolimos.
Urgente se faz afagar a vida ferida como está.
Chamar quem se escondeu, lembrar a quem esqueceu
e, até dar uma nova chance a mais a quem negou.
Só aos traidores será negado ver a síntese acontecer, a vida reviver...
Urgente se faz”.

Zé Vicente

martes, 2 de noviembre de 2010

Con alegría he compartido 23 días en el Escolasticado CLAS.
Fueron días de vivir la fraternidad, la Eucaristía y el servicio. He encontrado a un grupo de hermanos, que lo podría catalogar, llenos de esperanza y de vida espiritual. En todo momento me he sentido cómodo entre ellos y ha sido constante el afecto que recibí de parte de todos ellos.
Además tuve la ocasión de compartir y acompañar en la pastoral que realizan algunos de los hermanos, en especial con los jóvenes de VentaQuemada. Fue una experiencia inolvidable acompañarlos en el campamento, ya que tuvieron una gran apertura y un espíritu servicial.
Agradezco a toda la comunidad de Escolásticos, por haberme recibido fraternalmente y acompañarme en estos días en mis oraciones y a vivenciar la Eucaristía. Me llevo del Escolasticado un hermoso recuerdo de fraternidad, con la esperanza de poder compartir con ellos la vida religiosa.
Gracias
P. Carlitos sss

miércoles, 27 de octubre de 2010

As muralhas do Coração

Jericó tornou-se famosa pelo fato da destruição de suas muralhas, não pela força das armas, mas pela intervenção de Deus. é nesta cidade que outro tipo de muralha vem abaixo, como nos relata Lucas (19,1-10).

É o que aconteceu com Zaqueu que queria ver Jesus. Como era pequeno de estatura, para poder ver Jesus, que estava cercado por uma grande multidão, subiu num sicômoro. As palavras de Jesus fizeram com que as muralhas da resistência, no coração de Zaqueu, viessem abaixo: “Zaqueu, desce depressa! Hoje eu devo ficar na tua casa”. Prossegue o relato: “Ele desceu depressa, e recebeu Jesus com alegria.”

A alegria de Zaqueu em acolher tem uma explicação. Tudo começa com o seu interesse em ver Jesus. Mas, na realidade, é o Mestre quem quer encontrar-se com aquele que o hospeda com tanta alegria. Pois “o Filho do homem veio procurar e salvar o que estava perdido.”

A troca de olhares domina a cena: Zaqueu quer ver, mas o olhar de Jesus é que é decisivo. A sua iniciativa de subir numa árvore não teria consequências se Jesus não o tivesse acolhido. Deste modo, o breve encontro não termina ali. Repercute na vida de Zaqueu; “Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres, e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais.”

O evangelista evoca o conceito que a multidão tinha a respeito de Zaqueu, “chefe dos cobradores de impostos e muito rico”. E por isso reprova a atitude de Jesus: “Ele foi hospedar-se na casa de um grande pecador.”

Zaqueu tinha necessidade de um olhar diferente daquele da sua gente. Um olhar penetrante, acompanhado de palavras, que iria transformar o seu coração e mudar a sua vida: “Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é filho de Abraão.”

Dom Joviano de Lima Júnior, sss
Arcebispo de Ribeirão Preto

Cardeal Geraldo Majella anuncia a beatificação de irmã Dulce

O cardeal arcebispo de Salvador (BA), dom Geraldo Majella Agnelo anunciou, na manhã desta quarta-feira, 27, a beatificação da irmã Dulce.
O pronunciamento foi feito na sede das Obras Sociais Irmã Dulce, em Salvador, e o cardeal informou que até o fim do ano será conhecida a data da cerimônia de beatificação. Para ser considerada beata, foi necessária a comprovação da existência de um milagre atribuído a religiosa; fato que aconteceu esta semana em Roma. O processo ainda precisa ser assinado pelo papa para ser concluído.
De acordo com dom Geraldo, a religiosa é exemplo para os cristãos e a sua história de vida é o que justifica a beatificação e o processo de canonização. “Todo santo é um exemplo de Cristo, como foi o caso dela (Irmã Dulce); aquela dedicação diuturna durante toda a vida aos pobres e sofredores”.
Irmã Dulce é a primeira baiana a tornar-se beata e agora está a um passo da canonização. O título de santa só poderá ser conferido após a comprovação de mais dois milagres intercedidos pela religiosa e reconhecidos pelo Vaticano. A causa da beatificação de Irmã Dulce foi iniciada em janeiro do ano 2000 pelo próprio dom Geraldo Majella. Desde junho de 2001, o processo tramita na Congregação para a Causa dos Santos no Vaticano.
Fonte: ZENIT

lunes, 25 de octubre de 2010

Em vigor o Estatuto da Igualdade Racial

Depois de tramitar por quase uma década pelas duas casas legislativas do país e ter sido sancionado pela atual presidencia, o Estatuto da Igualdade Racial passou a vigorar.

Trata-se da lei que define uma nova ordem de direitos para os cidadãos negros brasileiros. Alcançando cerca de 90 milhões de brasileiros, o Estatuto da Igualdade Racial, com seus 65 artigos, é um instrumento legal que possibilitará a correção de desigualdades históricas, no que se refere às oportunidades e direitos ainda não plenamente desfrutados pelos descendentes de escravos do país. Uma parcela da população que representa, atualmente, 50,6% da sociedade. E que se encontra em situação desprivilegiada, tanto no mercado de trabalho, quanto no que diz respeito à escolarização, às condições de moradia, à qualidade de vida e saúde, de segurança e de possibilidades de ascensão social.

O ministro da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), Eloi Ferreira de Araujo, vem percorrendo o país de modo a estabelecer o diálogo com a sociedade civil organizada e autoridades governamentais sobre a importância da implementação das medidas apresentadas na nova lei; cuja a próxima fase será a de regulamentação.

De acordo com o ministro da Igualdade Racial, a lei 12.288/2010 é um diploma de ação afirmativa voltado para a reparação das desigualdades raciais e sociais, ainda derivadas da escravidão e do desenvolvimento desigual que o país experimentou e ainda experimenta. O Estatuto da Igualdade Racial dá as condições para a construção de um novo Brasil.

Veja o que determina o Estatuto Projeto de Lei do Senado nº 213, de 2003 (nº 6.264, de 2005, na Câmara dos Deputados). Texto Aprovado pelo Senado Federal, em 16.06.2010* Abrange uma população de cerca de 100 milhões de pessoas.* Estabelece uma nova ordem de interesse na sociedade brasileira, uma vez que impactará todos os poderes da República e a sociedade.* Dialoga com o Plano Nacional de Mulheres e com o de Direitos Humanos.


1. Contra todo preconceito e discriminação racial. O Estatuto da Igualdade Racial estabelece que discriminação racial ou étnico-racial é toda distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou exercício, em igualdade de condições, de direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública ou privada. Estabelece o que é população negra: o conjunto de pessoas que se autodeclaram pretas e pardas, conforme o quesito cor ou raça, usado pelo IBGE, ou que adotam autodefinição análoga. Deixa explícito, portanto, o sujeito de direitos.

2. Garante as ações afirmativas e os meios para a sua implementação. As ações afirmativas permeiam todo o Estatuto da Igualdade Racial e estabelece que são os programas e medidas especiais adotados pelo Estado e pela iniciativa privada para a correção das desigualdades raciais e para a promoção da igualdade de oportunidades, com o objetivo de reparar as distorções e desigualdades sociais e demais práticas discriminatórias adotadas, nas esferas públicas e privadas, durante o processo de formação social do País, em todos os setores, como na educação, cultura, esporte e lazer, saúde, segurança, trabalho, moradia, meios de comunicação de massa, financiamento público, acesso a terra, à justiça, e outros.

3. Saúde. São fixadas as diretrizes da política nacional de saúde integral da população negra, já detalhados na Portaria 992, de 13 de maio de 2009, do MS. Estabelece a participação de representantes do movimento negro nos conselhos de saúde, a coleta de dados desagregados por cor, etnia e gênero; o estudo e pesquisa sobre o racismo e saúde da população negra, bem como acesso universal e igualitário ao SUS para promoção, proteção e recuperação da saúde da população negra. Os moradores das comunidades de remanescentes de quilombos serão beneficiários de incentivos específicos para a garantia do direito à saúde, incluindo melhorias nas condições ambientais, no saneamento básico, na segurança alimentar e nutricional e na atenção integral à saúde.
4. Educação. Esta Seção reforça a Lei 10.639/2003, que obriga o estudo da história geral da África e da história da população negra no Brasil em escolas públicas e privadas. São asseguradas as ações afirmativas para a ampliação do acesso da população negra ao ensino gratuito; fomento à pesquisa e à pós-graduação com incentivos a programas de estudo voltados para temas referentes às relações étnicas, aos quilombolas e às questões pertinentes à população negra; programas para aproximação de jovens negros e negras às tecnologias avançadas.

5. Cultura, esporte e lazer. Reconhece as Sociedades Negras, Clubes Negros, e outras formas de manifestação coletiva da população negra com trajetória histórica comprovada, como patrimônio histórico e cultural. Assegura os direitos culturais dos remanescentes das comunidades quilombolas. Afirma que haverá incentivo à celebração das personalidades e das datas comemorativas relacionadas ao samba e a outras manifestações culturais de matriz africana. Garante o registro e proteção da capoeira como bem de natureza imaterial e o seu reconhecimento como desporto de criação nacional - o que facilitará o acesso a recursos públicos e privados. Faculta o ensino da capoeira nas instituições públicas e privadas pelos capoeiristas e mestres tradicionais, pública e formalmente reconhecidos.

6. Liberdade de consciência e de crença e direito ao livre exercício dos cultos religiosos e combate à intolerância religiosa. Garante a liberdade de consciência e crença e assegura o livre exercício dos cultos religiosos de matriz africana e a proteção, na forma da lei, aos locais de culto e liturgias, ente outros direitos, inclusive acesso aos meios de comunicação, para a sua divulgação. Assegura a participação proporcional de representantes das religiões dematrizes africanas, ao lado da representação das demais religiões, em comissões, conselhos, órgãos e outras instâncias de deliberação vinculadas ao Poder Público. Assegura que o poder público adotará as medidas necessárias para o combate à intolerância com as religiões de matrizes africanas e à discriminação de seus seguidores.


7. Acesso à terra. Está assegurada a elaboração e implementação de políticas públicas para promover o acesso da população negra a terra e às atividades produtivas no campo, ampliando e simplificando o seu acesso ao financiamento agrícola, assegurando assistência técnica e o fortalecimento da infraestrutura para a comercialização da produção, e promovendo a educação e a orientação profissional agrícola para os trabalhadores negros e as comunidades negras rurais. Assegura que os remanescentes das comunidades dos quilombos que estão ocupando suas terras terão a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir os títulos respectivos e afirma que os quilombolas se beneficiarão de todas as iniciativas previstas nesta Lei e em outras leis para a promoção da igualdade.

8. Acesso à moradia adequada. Estabelece que o poder público garantirá políticas públicas para assegurar o direito à moradia adequada da população negra que vive nas favelas, cortiços, áreas urbanas subutilizadas, degradadas ou em processo de degradação; com políticas de infra-estrutura e equipamentos comunitários e a assistência técnica e jurídica para a construção, a reforma ou a regularização fundiária da habitação. Afirma que os programas, projetos e outras ações governamentais no âmbito do Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social - SNHIS devem considerar as peculiaridades sociais, econômicas e culturais da população negra e os conselhos deste Sistema, constituídos para a aplicação do Fundo Nacional da Habitação de Interesse Social (FNHIS), deverão ter a participação das organizações e movimentos representativos da população negra.

9. Trabalho. Afirma que o poder público promoverá ações que assegurem a igualdade de oportunidades no mercado de trabalho para a população negra, inclusive mediante a implementação de medidas visando à promoção da igualdade nas contratações do setor público e o incentivo à adoção de medidas similares nas empresas e organizações privadas. Afirma que o poder público promoverá ações para elevação de escolaridade e qualificação profissional nos setores da economia que contém alto índice de ocupação por trabalhadores negros de baixa escolarização, o que inclui as trabalhadoras domésticas. Estabelece que o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) formulará programas e projetos para a inclusão da população negra no mercado de trabalho e orientará a destinação de recursos para seu financiamento.Estimula o empreendedorismo negro, garantindo incentivo à criação e manutenção de microempresas administradas por pessoas autodeclaradas negras e às atividades voltadas ao turismo étnico. Possibilita a que o poder executivo federal estabeleça critérios para provimento dos cargos e funções de confiança, destinados a ampliar a participação de negros.

10. Meios de comunicação. A produção veiculada pelos órgãos de comunicação valorizará a herança cultural e a participação da população negra na história do País e a igualdade de oportunidades para a participação dos negros nos filmes, peças publicitárias, sempre respeitando as produções publicitárias quando abordarem especificidades de grupos étnicos não negros. Os Órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica ou fundacional, as empresas públicas e sociedades de economia mista federais deverão incluir cláusulas de participação de artistas negros nos contratos de realização de filmes, programas ou quaisquer outras peças de caráter publicitário. Respeitado as ações/filmes com identidade étnica específica.

11. Cria o Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial - SINAPIR forma pela qual o Estado Brasileiro se organizará para a efetiva promoção da igualdade racial. Fortalece a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR/PR), o Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR), o Movimento Negro, legaliza o Fórum Intergovernamental de Promoção da igualdade Racial (FIPIR). Incentiva a criação de conselhos de promoção da igualdade racial paritários nos Estados, Distrito Federal e Municípios, inclusive com priorização de repasse de recursos referentes aos programas e atividades previstos nesta Lei aos Estados, Distrito Federal e Municípios que tenham criado os conselhos.

12. Das ouvidorias permanentes e do acesso à Justiça e à segurança. Assegura que poder público federal instituirá Ouvidorias Permanentes em Defesa da Igualdade Racial, para receber e encaminhar denúncias de preconceito e discriminação com base em etnia ou cor e acompanhar a implementação de medidas para a promoção da igualdade. Afirma que o Estado adotará medidas especiais para coibir a violência policial incidente sobre a população negra e implementará ações de ressocialização e proteção da juventude negra em conflito com a lei e exposta a experiências de exclusão social.

13. Do financiamento das iniciativas de promoção da igualdade racial. Estabelece que nos planos plurianuais e nos orçamentos anuais da União deverão ser observada a implementação das políticas de ação afirmativa. E que o Poder Executivo está autorizado a adotar medidas necessárias para a adequada implementação das políticas de promoção da igualdade racial, podendo estabelecer patamares de participação crescente dos programas de ação afirmativa nos orçamentos anuais.

14. Disposições finais. O Art. 59 estabelece que o Poder Executivo Federal criará instrumentos para aferir a eficácia social das medidas previstas nesta Lei e efetuará seu monitoramento constante, com a emissão e a divulgação de relatórios periódicos, inclusive pela rede mundial de computadores. Os demais artigos aperfeiçoam a legislação antidiscriminatória existente.

SEPPIR
Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial


Cresce interesse pelos santos, diz porta-voz vaticano


Comenta as últimas canonizações
Os santos voltaram a estar na moda, afirma o diretor da Sala de Imprensa do Vaticano, ao constatar a extraordinária participação nas últimas canonizações presididas por Bento XVI.

O padre Federico Lombardi, S.J., analisa no último número de Octava Dies, semanário do Centro Televisivo Vaticano, a proclamação como santos de Stanislaw Soltys, André Bessette, Cândida Maria de Jesus Cipitria y Barriola, Mary of the Cross MacKillop, Giulia Salzano e Battista Camilla Varano.

Essas canonizações “foram um tanto particulares. Sobretudo dois destes novos santos mobilizaram um interesse muito especial em seus países”. O porta-voz refere-se à australiana Mary MacKillop e ao canadense André Bessette.

“Os outros santos e santas eram italianos, espanhóis e poloneses e, portanto, apesar de sua grandeza, não eram uma novidade absoluta. Mas a Austrália ainda não tinha uma santa e o Canadá tinha uma menor familiaridade com as canonizações”.

“Grupos de milhares de peregrinos enfrentaram viagens muito longas e dispendiosas para estar presentes na Praça de São Pedro; muitos jornalistas e equipes de televisão vieram a Roma para escrever artigos, fazer reportagens, entrevistas, transmissões ao vivo sobre a cerimônia e as outras celebrações”, recorda o padre Lombardi.

“Normalmente os meios de comunicação movem-se quando entendem que há um interesse popular amplo e difundido”, recorda.

“A Igreja propõe solenemente nos santos os modelos de vida cristã, mas o faz reconhecendo aquilo que o povo já entendeu: que certas pessoas encarnam o Evangelho de forma extraordinária, e assim se convertem para aqueles que os descobrem em amigos espirituais, fantásticos guias para chegar ao amor de Deus, à fé, à esperança.”

“Alguns santos são reconhecidos solenemente; a grande maioria não se faz universalmente famosa, mas difunde igualmente ao ser redor esperança e amor. Esta é a face mais bela da Igreja”, afirma.

Fonte: ZENIT

viernes, 22 de octubre de 2010

Mesmo que você ainda não esteja na idade de risco do Alzheimer, passe as informações para frente, para seus pais, tios, avós, amigos etc.

A cada 1 minuto de tristeza perdemos a oportunidade de sermos felizes por 60 segundos.
Sobre o Alzheimer
Roberto Goldkorn é psicólogo e escritor
Meu pai está com Alzheimer. Logo ele, que durante toda vida se dizia 'o Infalível'. Logo ele, que um dia, ao tentar me ensinar matemática, disse que as minhas orelhas eram tão grandes que batiam no teto. Logo ele que repetiu, ao longo desses 54 anos de convivência, o nome do músculo do pescoço que aprendeu quando tinha treze anos e que nunca mais esqueceu: esternocleidomastóideo.
O diagnóstico médico ainda não é conclusivo, mas, para mim, basta saber que ele esquece o meu nome, mal anda, toma líquidos de canudinho, não consegue terminar uma frase, nem controla mais suas funções fisiológicas, e tem os famosos delírios paranóicos comuns nas demências tipo Alzheimer.
Aliás, fico até mais tranqüilo diante do 'eu não sei ao certo' dos médicos; prefiro isso ao 'estou absolutamente certo de que.....', frase que me dá arrepios. E o que fazer... para evitarmos essas drogas? Como? Lendo muito, escrevendo, buscando a clareza das idéias, criando novos circuitos neurais que venham a substituir os afetados pela idade e pela vida 'bandida'.
Meu conselho: é para vocês não serem infalíveis como o meu pobre pai; não cheguem ao topo, nunca, pois dali só há um caminho: descer. Inventem novos desafios, façam palavras cruzadas, forcem a memória, não só com drogas (não nego a sua eficácia, principalmente as nootrópicas), mas correndo atrás dos vazios e lapsos. Eu não sossego enquanto não lembro do nome de algum velho conhecido, ou de uma localidade onde estive há trinta anos. Leiam e se empenhem em entender o que está escrito, e aprendam outra língua, mesmo aos sessenta anos. Coloquem a palavra FELICIDADE no topo da sua lista de prioridades: 7 de cada 10 doentes nunca ligaram para essas 'bobagens' e viveram vidasmedíocres e infelizes - muitos nem mesmo tinham consciência disso. Mantenha-se interessado no mundo, nas pessoas, no futuro. Invente novas receitas, experimente (não gosta de ir para a cozinha? Hum...Preocupante). Lute, lute sempre, por uma causa, por um ideal, pela felicidade. Parodiando Maiakovski, que disse 'melhor morrer de vodca do que de tédio', eu digo: melhor morrer lutando o bom combate do que ter a personalidade roubada pelo Alzheimer.
Dicas para escapar do Alzheimer: uma descoberta dentro da Neurociência vem revelar que o cérebro mantém a capacidade extraordinária de crescer e mudar o padrão de suas conexões. Os autores desta descoberta, Lawrence Katz e Manning Rubin (2000), revelam que NEURÓBICA, a 'aeróbica dos neurônios', é uma nova forma de exercício cerebral projetada para manter o cérebro ágil e saudável, criando novos e diferentes padrões de atividades dos neurônios em seu cérebro. Cerca de 80% do nosso dia-a-dia é ocupado por rotinas que, apesar de terem a vantagem de reduzir o esforço intelectual, escondem um efeito perverso; limitam o cérebro. Para contrariar essa tendência, é necessário praticar exercícios 'cerebrais' que fazem as pessoas pensarem somente no que estão fazendo, concentrando- se na tarefa. O desafio da NEURÓBICA é fazer tudo aquilo que contraria as rotinas, obrigando o cérebro a um trabalho adicional.
Tente fazer um teste:- use o relógio de pulso no braço direito;- escove os dentes com a mão contrária da de costume;- ande pela casa de trás para frente; (vi na China o pessoal treinando isso num parque);- vista-se de olhos fechados;- estimule o paladar, coma coisas diferentes; (conheço tanta gente que só quer comer a mesma coisa)- veja fotos de cabeça para baixo;- veja as horas num espelho;- faça um novo caminho para ir ao trabalho. A proposta é mudar o comportamento rotineiro! Tente, faça alguma coisa diferente com seu outro lado e estimule o seu cérebro. Vale a pena tentar! Que tal começar a praticar agora, trocando o mouse de lado? Que tal começar agora enviando esta mensagem, usando o mouse com a mão esquerda? FAÇA ESTE TESTE E PASSE ADIANTE PARA SEUS (SUAS) AMIGOS (AS).
'Critique menos, trabalhe mais. E, não se esqueça nunca de agradecer!'Sucesso para você!!!

Brasil: Não há divisão na Igreja por causa das eleições

Presidente da CNBB considera positiva discussão do tema do aborto

O presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), Dom Geraldo Lyrio Rocha, afirmou que as discussões em torno das eleições presidenciais no país não causaram um “racha” na Igreja.

Dom Geraldo Lyrio falou aos jornalistas nessa quinta-feira, em coletiva de imprensa em Brasília, no encerramento da reunião do Conselho Permanente da CNBB.

Ao destacar que o clima da reunião desta semana entre os bispos dirigentes da CNBB foi “muito sereno”, o prelado afirmou: “não há um ‘racha’ na Igreja por causa do momento político”.

“As decisões mais importantes do Conselho Permanente não estão tendo divisões e distanciamentos. Isso prova que não há racha nenhum”, disse, segundo informa a assessoria de imprensa da CNBB.

O presidente da CNBB considera normal que haja divergências em uma Conferência episcopal como a brasileira, que tem quase 450 bispos. “Em um clima de liberdade que a Igreja procura cultivar, é perfeitamente compreensível que aqui ou ali alguém dê acentuação maior num aspecto e noutro. Não é porque eu discordei de você que eu devo interpretar que está havendo um racha”, disse.

Mesmo que tenha havido uma acentuação maior nas discussões ao redor do tema do aborto, o prelado afirma que “o estranho seria se nós chegássemos ao final do segundo turno sem que assuntos dessa gravidade tivessem entrado em pauta”.

Sobre a manifestação do bispo de Guarulhos (São Paulo), Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, que orientou os católicos de sua diocese a não darem o voto à candidata Dilma Rousseff, Dom Geraldo Lyrio afirmou que cada bispo, na sua diocese, tem o direito de se manifestar conforme sua competência de pastor.

“Tenho uma admiração muito grande por Dom Luiz Gonzaga Bergonzini e os seus procedimentos estão dentro daquilo que a Igreja espera. Ele, dentro da sua competência de pastor, tem o direito e até o dever de, segundo sua consciência, orientar seus fiéis do modo que julga mais eficaz e mais conveniente.”

“Ele está no exercício de seus direitos como bispo diocesano de Guarulhos e cada instância fala só para o âmbito de sua competência, tanto que ele não se dirigiu à nação brasileira. Este procedimento está absolutamente dentro da normalidade no modo como as coisas da Igreja se encaminham”, afirmou Dom Geraldo.

O arcebispo recordou também que não cabe à CNBB repreender nenhum bispo. “Acima do bispo no governo da Igreja só existe uma autoridade: o Papa. A CNBB não é um organismo para interferir nas dioceses, dar normas aos bispos ou repreendê-los”.

“O papel da Conferência é articular os bispos para facilitar o diálogo, a convivência e o exercício da nossa corresponsabilidade diante dos grandes desafios vividos pela Igreja e pela sociedade da qual a Igreja também deve se ocupar”, disse.
Fonte: ZENIT

miércoles, 13 de octubre de 2010

Deus tem mil formas de mostrar que existe, afirma Papa

"Deus tem mil maneiras - para cada um a sua - de fazer-se presente na alma, de mostrar que existe, que me conhece e ama", considera Bento XVI.

O Pontífice chegou a esta conclusão ao apresentar, na catequese, a figura da Beata Angela de Foligno, mística italiana que viveu entre 1248-1309, da Ordem Terceira Franciscana.

O Papa recordou que Angela havia levado uma vida mundana, afastada do pensamento de Deus, até que, em 1285, invocou São Francisco de Assis, quem lhe apareceu em uma visão, e depois ela decidiu confessar-se.

Começou então um rico e tortuoso caminho espiritual. Em primeiro lugar, explicou Bento XVI, ela não tinha a sensação de ser amada por Deus, senão que sentia "vergonha".

Angela, explicou, "sente o dever de ter de dar algo a Deus para reparar seus pecados, mas lentamente compreende que não tem nada para dar-lhe; pelo contrário, é 'nada' diante d'Ele; compreende que não será sua vontade que dará amor a Deus, porque esta só pode dar-lhe seu 'nada', o 'não amor'".

Acompanha-a "o pensamento do inferno, porque quanto mais a alma progride no caminho da perfeição cristã, mais se convencerá não somente de ser 'indigna', mas de merecer o inferno".

O Crucificado que salva da indignidade
"Em seu caminho místico, Angela compreende de maneira profunda a realidade central: o que a salvará da sua 'indignidade' e de 'merecer o inferno' não será sua 'união com Deus' e seu possuir a 'verdade', mas Jesus crucificado, 'sua crucifixão por mim', seu amor."

A conversão de Angela, inciada com a confissão de 1285, chegará à maturidade somente quando o perdão de Deus aparecer à sua alma como o dom gratuito de amor do Pai, fonte de amor, reconheceu o Papa.

À luz da vida desta mística, o Papa concluiu deixando uma lição para nossos dias: "Hoje estamos todos em perigo de viver como se Deus não existisse: Ele parece muito longe da vida atual. Mas Deus tem mil maneiras - para cada um a sua - de fazer-se presente na alma, de mostrar que existe, que me conhece e ama. E a Beata Angela quer nos deixar atentos a estes sinais com os quais o Senhor nos toca a alma, atentos à presença de Deus, para aprender, assim, o caminho com Deus e rumo a Deus, na comunhão com Cristo Crucificado. Oremos ao Senhor para que nos torne atentos aos sinais da sua presença, que nos ensine a viver realmente".

Fonte: ZENIT

viernes, 8 de octubre de 2010

Semana pela Vida: a vida é bela!

Por decisão da CNBB, a Igreja no Brasil realiza cada ano, no início de outubro, a semana pela defesa da vida. Não é que somente nesta semana devamos fazê-lo, mas todos os dias, ao longo do ano inteiro. Os cristãos são chamados a escolher, amparar, defender e proteger a vida: “escolhe, pois, a vida”, recordava-nos a Campanha da Fraternidade em 2008. Nós cremos no Deus da vida, que ordenou – “não matarás” -, e somos discípulos daquele que é vencedor da morte e restaurador da vida: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”.

O início de outubro nos traz boas motivações adicionais para manifestarmos nossa posição em defesa da vida, ameaçada de diversas formas, inclusive a vida humana. Estamos no início da primavera, uma explosão de vida, de cores e beleza. O papa Bento XVI, na encíclica Caritas in Veritate, nos adverte sobre a importância de preservar a vida e o meio ambiente no planeta Terra, nossa casa comum (cf. n. 48-50). Cuidar bem da natureza e da nossa casa comum é questão de justiça e solidariedade para com os demais seres que povoam este belo e abençoado paraíso da vida, talvez único no universo; é questão também de justiça e solidariedade para com as futuras gerações, para as quais não deveremos deixar em herança um mundo estragado e sem condições boas de abrigar a vida.

A Igreja também recorda, no dia 4 de outubro, São Francisco de Assis, poeta e cantor da natureza; ele, santo e alma pura, não se deixou corromper pela ganância e o egoísmo, que matam a vida; por isso podia dizer “mãe terra” e reconhecer em cada criatura um irmão e uma irmã; ele se reconhecia como filho querido do Pai muito amado, que fez boas todas as coisas e as abençoou. Por essa mesma razão, também o Papa Bento XVI nos diz na encíclica citada acima que a questão ecológica não deve ser o sonho de alguns ativistas e sonhadores, mas um assunto que envolve nossa fé em Deus Criador e nossos deveres morais. Respeitar e defender a vida é prestar homenagem ao Deus da vida. O contrário seria ofensa ao Criador e pecado contra os irmãos.

A semana de defesa da vida, porém, tem um significado específico para nós: Manifestamos nosso grito de alerta diante dos desprezos, ameaças e agressões contra a vida humana e, assim, queremos desenvolver mais e mais uma cultura favorável à vida humana. De muitas formas a vida humana é desrespeitada e ameaçada: pela miséria, que não permite viver dignamente; pelos vícios, que estragam a saúde e roubam a vida prematuramente; pela violência difusa, de tantas formas, onde muitas pessoas perdem a vida de maneira trágica; pelo aborto, que ceifa um número assombroso de vidas inocentes e indefesas. Não podemos ficar indiferentes diante da cultura da morte, que faz, inclusive, negócios muito rentáveis com o comércio de morte! Lembramos a advertência do Papa Bento XVI, na Fazenda da Esperança, no dia 12 de maio de 2007, contra os que tiram lucros vultosos do comércio da droga: deverão dar contas a Deus pelas vidas que fizeram perder em decorrência desse comércio de morte!

Muito grave é a questão do aborto provocado. Há projetos de lei para legalizar esta prática, até mesmo para que possa ser realizada com dinheiro público! Há mesmo quem argumente que isso é um “direito humano”. Tirar a vida de seres humanos inocentes e indefesos seria um direito humano?! Fala-se em “despenalização”, ou “descriminalização” do aborto, ou em “interrupção da gravidez”, ou “parto antecipado”. São formas de linguagem que escondem a realidade, mas o objetivo e a dura realidade é a mesma: A supressão da vida de um ser humano inocente e indefeso. A interrupção da gravidez, ou o parto feito antes de certo tempo de gestação levam inevitavelmente à morte do feto, ou bebê. Espalhou-se o uso da pílula do dia seguinte (“método contraceptivo de emergência”), que também pode ser abortiva se já houve fecundação após uma relação sexual.

Há quem argumente pelo direito que as mulheres teriam para decidir sobre seu corpo; tratando-se de uma gravidez, há nisso um equívoco primário, pois o feto ou bebê que a mulher traz no seu útero não é parte do seu corpo, mas é um outro corpo, diverso do dela; melhor dito, é um outro ser humano, diverso dela; a natureza da mulher recebeu de Deus a bela e gratificante missão de acolher a vida, de dar-lhe condições para nascer, de amparar e proteger esta vida frágil. Evidentemente, se somos contrários ao aborto, não significa isso que queremos a todo custo o castigo das mulheres que, por alguma razão, o praticam. Mas como proteger a vida nascente, se o aborto fosse legalizado? A defesa da vida, além disso, também requer a cobrança das autoridades para que o Estatuto do Nascituro seja aprovado quanto antes e que seja usado o rigor da lei contra as clínicas clandestinas (ou pouco clandestinas), que exploram o comércio do aborto, para tirar lucros.

Além disso, a defesa da vida nascente também requer, de nossa parte, o amparo e a solidariedade para com a mulher que gera um filho, ou tem uma gravidez problemática, ou até indesejada. A medicina, a psicologia e a assistência social podem fazer muito por ela, sem precisar fazer o aborto; as organizações da Igreja podem estar ao lado dela para ajudá-la. A semana pela defesa da vida deveria ainda ser marcada por homenagens às mulheres grávidas, ou que têm filhos pequenos; elas prestam um grande serviço à humanidade! Em nossas igrejas poderiam ser realizadas celebrações especiais para elas, inclusive previstas no ritual de bênçãos.

Dia 8 de outubro, por iniciativa da CNBB, é o Dia do Nascituro em todo o Brasil. Seja um dia para dizer: Bem-vindos à vida! Felizes são as mães de vocês! Sejam abençoados e abençoadas por Deus!

Cardeal Odilo Pedro Scherer

Liturgia do Voto: fé na democracia

Maria Clara Lucchetti Bingemer *


O brasileiro foi às urnas no território nacional e fora dele, maciçamente, após uma campanha tensa e que baixou muito o nível nos últimos momentos. É por isso e mais que nada que o segundo turno é algo positivo.
Positivo para quem? Podemos e devemos perguntar sem medo. Certamente alguns intransigentes de plantão discordarão. Prefeririam a vitória da candidata petista já no primeiro turno. Fim das agonias, das expectativas, vitória líquida, certa. Mas trata-se apenas da certeza da continuidade da política do presidente Lula, ou de crescer na democracia na qual ainda engatinhamos como nação?

Creio que, se é importante o primeiro ponto, o segundo não fica atrás. Certamente o Brasil fez um gesto simbólico colocando um operário na cadeira de presidente da República. Isso marcou nossa história para sempre. Nunca mais o país será o mesmo depois disso. Acresce o fato de a política econômica do operário-presidente ter surpreendido todos, a direita, a esquerda e o centro. E como se não bastasse, o país dos vira-latas com complexo de inferioridade, pedindo desculpas por existir, foi guindado à convivência com grandes potências, sendo a palavra de seu presidente respeitada e a nação olhada como uma das mais promissoras para o futuro da humanidade.


Quanto a este ponto, mesmo os que não gostam de Lula, que discordam de seu governo em um ou vários pontos, devem concordar. Hoje Brasil é palavra respeitada onde quer que se vá. Olham para nós com respeito e admiração. Esperam de nós sinalizações de futuro e liderança como nunca aconteceu.

Porém, uma vitória no primeiro turno para Dilma Rousseff não faria bem ao Brasil novo que hoje somos. Seria fácil demais, rápido demais. Fará bem a todos e a todas que acreditamos na democracia, no voto livre como expressão da vontade da maioria, ir outra vez às urnas e depurar nosso exercício cívico e democrático.

Para isso a entrada de Marina Silva no cenário eleitoral foi tão fundamental. Figura de alto coturno ético, comprometida com as lutas mais nobres de nosso país, da pobreza à ecologia, entrou na disputa com ínfima percentagem, menos de 10%. Mas cresceu, cresceu e encerrou a eleição com quase 20%. Porém, mais importante que tudo, introduziu um "terceiro" na equação da campanha que lhe deu mais qualidade, mais vibração e mais seriedade na disputa.

A medida do crescimento de Marina foi a medida pela qual a campanha se dinamizou, se abriu e não ficou restrita às brigas feias e de baixo nível dos dois candidatos que agora vão ao segundo turno. A frágil magreza do norte da candidata que é a cara do Brasil fez a diferença e levou a eleição ao segundo turno.

Ganhou a democracia, ganhou o povo brasileiro, que terá a oportunidade de pensar mais detida e profundamente sua escolha agora decisiva. Ganhamos todos os que apoiamos Marina. Saímos do primeiro turno dessa eleição orgulhosos de nossa candidata e esperançosos de vê-la em Brasília em outra futura eleição, oxalá não tão longínqua.

Há liturgias sagradas, onde o ser humano cultua a divindade em que crê através de gestos, símbolos, cantos e expressões corporais. E há liturgias seculares, nas quais o ser humano expressa suas atitudes cívicas, suas utopias, suas esperanças intra-históricas. A eleição é uma delas. Ao marcar na urna o número do candidato que escolhemos, estamos realizando e fazendo acontecer o ritual que, esperamos, dará o rumo que desejamos à história e criará fatos políticos compatíveis com nossas crenças e esperanças.

Ao participar da imensa liturgia de 200 milhões de cidadãos neste domingo, introduzindo na urna nosso voto, reafirmamos uma vez mais nossa fé na democracia. O resultado que leva ao segundo turno reafirma e confirma essa fé. Uma vez mais, aqui vamos nós. É preciso celebrar a liberdade e participar, para que esse país cumpra seu destino histórico e ocupe seu lugar no mapa do mundo. Que venha o segundo turno!

* Teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio

Que é um rito?

Por Hani Bakhoum Kiroulos

O termo “rito” não é uma inovação da cristandade, mas foi retomado pela Igreja e tem sido utilizado com toda sua riqueza e ambiguidade.

Rito e liturgia

O termo “rito” sempre teve um sentido religioso ligado à esfera litúrgica que permanece até nossos dias. Já a Vulgata fazia deste termo um sinônimo de cerimônia, de prescrições e de costumes ligados à liturgia.

Com o “rito”, a Igreja indicava no início a praxis de uma certa liturgia, como rito da aspersão da água ou o rito de acrescentar a água no vinho, na Santa Missa. Depois começa a indicar uma cerimônia de culto, quer dizer, toda a função litúrgica, como o rito do batismo e o rito da missa, por exemplo: ou inclusive indicava-se com o termo “rito” o próprio conjunto da liturgia, como o rito romano, ou o rito ambrosiamo em Milão [1].

Rito entre lei e disciplina

A finais do século XII, com Celestino III (1191- 1198), o termo “rito” foi usado para indicar o conjunto de leis ou de costumes que se devem respeitar e observar atentamente. Celestino III, de fato, aos bispos gregos que tentavam impor a observância de seus ritos e costumes ao clero latino, ele impedia de mesclar os diversos ritos.

Em seguida, o rito começou a indicar toda a comunidade que observa estas leis, disciplina e liturgia. Aparece, portanto, o sentido de “igreja particular”.

Rito e igreja particular

Desde o século XVII, começa-se a falar do rito Latino, do rito Armênio e do rito Grego. Aparece, portanto, este novo significado do termo “rito”, como igreja particular. A primeira codificação oriental seguia usando o termo “rito” em seus diversos significados, seguindo o código de 1917. Por exemplo, o Motu Proprio Cleri Sanctitati [2], de Pio XII, no can. 200, utiliza o termo “rito” no sentido de cerimônia litúrgica. O Motu Proprio Crebrae Allatae [3], em contrapartida, no can. 86 § 1. 2°, com o termo “rito” indica os fiéis que pertencem a uma igreja particular.

Do Vaticano II ao Código dos Cânones das Igrejas Orientais

O Concílio utiliza o termo “rito” de duas formas diferentes – ou para dizer melhor – de duas formas complementares [4]. Na primeira, o Concílio Vaticano II abre uma nova dimensão ao termo “rito”, dando-lhe uma nova definição. Na segunda forma, o Concílio utiliza o termo “rito” com o significado já recebido no passado.

Por uma parte, o decreto conciliar Orientalium Ecclesiarum [5], que é um decreto sobre as Igrejas Orientais, no número 3, dá uma definição bem precisa do termo “rito”: “Tais igrejas particulares, tanto do Oriente como do Ocidente, embora difiram parcialmente entre si em virtude dos ritos, isto é, pela liturgia, disciplina eclesiástica e património espiritual, são, todavia, de igual modo confiadas o governo pastoral do Pontífice Romano, que por instituição divina sucede ao bem-aventurado Pedro no primado sobre a Igreja universal” [6]. Observa-se, portanto, que com o termo “rito” indica-se o conjunto do patrimônio litúrgico, disciplinar e espiritual de uma igreja particular. Definindo assim o termo “rito”, o Concílio prolonga seu sentido recebido já desde o passado e lhe atribui um sentido canônico.

O Concílio Vaticano II segue utilizando o termo “rito” indicando também o conjunto dos atos litúrgicos ou a própria função, por exemplo, no número 71 de SC [7] utiliza a expressão “rito da Confirmação”; no número 19 de PO [8], “rito da Ordenação”, etc.

Por outro lado, o Concílio Vaticano II utiliza o termo “rito” como sinônimo de “igreja particular”. De fato, o decreto conciliar Orientalium Ecclesiarum, nos números 2, 3, 4 e também no título do parágrafo utiliza esta expressão: “As Igrejas Particulares ou os Ritos”. Para o Concílio Vaticano II, portanto, o termo “rito” é uma expressão com a qual se entende também a “igreja particular”.

Em seguida, o Codex Iuris Canonici [9] de 1983 simplifica a terminologia, dando um só e único sentido ao termo “igreja particular”. Como igreja particular, no Codex Iuris Canonici se entende só a diocese. Enquanto que com o termo “rito”, entendem-se as celebrações litúrgicas, como se afirma no can. 2.

Para as Igrejas orientais que estão em comunhão com Roma, o Codex Iuris Canonici, em diversos cânones, usa o termo “iglesia ritual sui iuris”. Observa-se também que o Codex Iuris Canonici segue utilizando o termo “rito” para indicar uma igreja oriental.

O Código dos Cânones das Igrejas Orientais, no can. 28 § 1, dá uma definição muito precisa da noção de “rito”: O rito é o patrimônio litúrgico, teológico, espiritual e disciplinar, diferente por cultura e circunstâncias históricas dos povos, que se expressa no modo de viver a fé que é próprio de cada Igreja sui iuris.

Observa-se deste cânon que o rito converte-se no patrimônio de um grupo. Este patrimônio não é comum, portanto, a todas as Igrejas orientais: cada uma tem o seu. O rito é um patrimônio que tem quatro elementos essenciais: litúrgico e teológico, espiritual e disciplinar. Este é depósito e totalidade de uma comunidade religiosa em seu conjunto.

A noção de “rito”, desta forma, recebe uma riqueza e clareza pela primeira vez na história da Igreja. Converte-se na maneira em que um povo vive sua própria fé.

O Codex Canonum Ecclesiarum Orientalium não fica sozinho em definir a noção de “rito”, ao contrário, para evitar qualquer ambiguidade, estabelece seu nascimento e origem:

28 § 2. Os ritos dos que se trata no Código são, a menos que não conste o contrário, os que têm origem nas tradições Alexandrina, Antioquena, Armênia, Caldeia e Constantinopolitana.

Cinco são as tradições, as matrizes, de todos os ritos. A tradição é a origem do rito. A própria tradições, inclusive, poderia ser a origem de vários ritos diferentes.

Concluindo, observa-se que no Codex Canonum Ecclesiarum Orientalium a noção de “rito” toma o sentido de patrimônio e com ela se expressa a maneira de um grupo viver sua própria fé em sua totalidade litúrgica, espiritual, cultural e disciplinar.

--- --- ---

1) Cfr. E. EID, Rite, Église de Droit Propre e Juridiction, en L’année canonique, 40 (1998), 7.

2) AAS, 49 (1957) 433- 600.

3) AAS, 41 (1949) 89- 117.

4) Cfr. E. EID, Rite, Église de Droit Propre e Juridiction, 9.

5) CONCILIUM OECUMENICUM VATICANUM II, Decretum de Ecclesiis Orientalibus Catholicis, Orientalium Ecclesiarum, (21.XII. 1964), in AAS, 57 (1965), 76- 89.

6) OE 3.

7) CONCILIUM OECUMENICUM VATICANUM II, Constitutio de Sacra Liturgia, Sacrosanctum Concilium, (4. XII. 1963), in AAS, 56 (1964) 97- 138.

8) CONCILIUM OECUMENICUM VATICANUM II, Decretum de Presbyterorum Ministerio et Vita, Presbyterorum Ordinis, (7. XII. 1965), in AAS, 58 (1966) 991- 1204.

9) I. PAULI II PP., Codex Iuris Canonici, in AAS, 75 (1983), pars II, 1– 317.